segunda-feira, 2 de julho de 2012

António Souto – Crónica (49)



Só que na vida do cidadão comum, que não tem o privilégio da convocação, os golos rendem muito pouco. Quer assista ao jogo, quer vibre com o jogo, quer se marimbe para o jogo, o campeonato ganha-se ou perde-se no final de cada mês, consoante o salário chega ou não para as despesas.

Que continue o europeu
Ah! que país este, tão bom de mar e de sol, tão cheio de heróis e de santos, de poetas e de fadistas, de camões e de pessoas, de monizes e de saramagos, de carreiras e de ronaldos, ah!, que país este de tanta gente grande e de tanta história!
Este é o país que se não deixa abater com terramotos, enxurradas ou troikas de qualquer espécie, este é o país que revigora com mundiais e europeus, com futebol a sério, com selecções de afoguear o peito e de saciar a danação de quem enxuga sem pagas o suor do rosto.
Este é o país que vai à luta, que ergue bem alto a bandeira e que mesmo em perigo causa perigo, o adversário que se cuide, que estes eleitos da bola, diz Bento, que não é papa, estes homens «já mostraram de que massa são feitos». E não sendo padre-santo, não lhe falta fé, nem lhe faltam indígetes. Assim é o jogo, hoje um desconhecido, amanhã um herói; hoje um herói, amanhã um vilão; hoje um vilão, amanhã um herói. E assim sucessivamente... como na vida! O importante mesmo é marcar golos!
Só que na vida do cidadão comum, que não tem o privilégio da convocação, os golos rendem muito pouco. Quer assista ao jogo, quer vibre com o jogo, quer se marimbe para o jogo, o campeonato ganha-se ou perde-se no final de cada mês, consoante o salário chega ou não para as despesas. Na comum vida do cidadão comum, a realidade não se restringe a quatro linhas nem a sua subsistência depende da macieza e da boa orientação do esférico. Mas se os golos rendem muito pouco ou nada, fazem contudo um bem enorme ao ego, dão às mais sisudas das criaturas a felicidade e a euforia que o demorado inverno reprime.
Foi assim com a passagem aos quartos-de-final, foi assim com a passagem às meias-finais, a convicção incha, as palavras volvem-se vivazes e conciliadoras, o convívio franqueado e amistoso, o país num crescendo mais e mais unido
Porém, com menos ruído – por certo por falta de fôlego para as vuvuzelas – e com menos bandeirinhas – por certo por alguma retracção nas importações chinesas.
E por isso se assiste a toda a gente desenfadando-se com os resultados, alvoroçando-se com os pontos suficientes para que se passe e se prossiga até à vitória final, e os tais que se marimbam para o jogo, que não assistem ao jogo ou que não vibram com ele, esses vão disfarçando o pudor da segregação e, em piano, alinham aos poucos nos festejos.
É vital, portanto, que continue o europeu, e nós nele, ou então será preciso dar largas à imaginação e descobrir outro placebo para as nossas mínguas nacionais e europeias, ou rezar, mas rezar muito, para que se confirme o milagre do ouro em solo alentejano, que o que havia em casa de cada um já foi todo desapossado e as lojas que o mercandavam se vão finando de mansinho.
Quanto ao mais, mantenha-se o fervor, e presentes na alma os versos do poeta: «Mas a chama, que a vida em nós criou,/ Se ainda há vida ainda não é finda./ O frio morto em cinzas a ocultou:/ A mão do vento pode erguê-la ainda.» («Mensagem», Fernando Pessoa)

Crónica de Junho de 2012 de António Souto para o blog «Floresta do Sul»; crónicas anteriores: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28; 29; 30; 31; 32; 33; 34; 35; 36; 35; 37; 38; 39; 40; 41; 42; 43; 44; 45; 46; 4748.

5 comentários:

Manuel C. Gomes disse...

E se colocássemos, de vez, os pés em pedra (ou no mar)?

António Souto disse...

É verdade, o 'desenrascanço' (ou o 'desenrascanso') está-nos na massa do sangue...

Há quem continue acreditando - contra a realidade dos factos - que o fado providencial tudo resolve...

BE/CRE Camões disse...

Foi bom enquanto durou - é pena que quando o filme acaba e as luzes acendem... voltamos à dura realidade!
Mas que vibrámos, vibrámos!!!! E será que há mesmo ouro (oiro???) no Alentejo??

António Manuel Venda disse...

Se houver, é mesmo aqui debaixo do monte. Por via das dúvidas, cavo todos os dias um bocado.

António Souto disse...

Cava, António, cava, mas não saias do monte, que precisamos cá de ti! (Com ouro ou sem ele!)