domingo, 17 de agosto de 2008

Confirmou-se

Não pensei muito na final da Supertaça, no que poderia acontecer. Acho que me convenci de que íamos ganhar sem grandes problemas. Confirmou-se. O Sporting 2 (Yannick 2), Porto 0 acabou por ser um jogo tão tranquilo que se não fosse a tendência dos últimos jogos com o Porto até seria de admirar. Organização, empenho, capacidade de luta e um bocadinho de sorte fizeram a diferença contra uma equipa que este ano parece um bocado abandalhada.
Sobre os jogadores, algumas notas… Dois que costumam deixar-me de pé atrás, Polga e Rui Patrício, estiveram bastante bem, mais Rui Patrício do que Polga; o guarda-redes esteve insuperável até no penalty (embora Lucho tenha sido um bocado azelha) e Polga depois de dois disparates à Polga lá se aguentou. Abel fez uma exibição notável, depois do que se disse sobre a possibilidade de ter de ceder o lugar a um colega com grandes limitações na relação com a bola (Caneira). Tonel pareceu-me bastante seguro, Izmailov em excelente forma, Romagnoli de vez e quando com falhanços mas sempre importante, Rochemback com classe embora por vezes não corra muito, João Moutinho algo confuso mas seguro e os dois avançados (Derlei e Yannick) excelentes (com destaque, já se vê, para Yannick). Dos três que entraram (Pereirinha, Postiga e Miguel Veloso), pouco a dizer, até no caso de Miguel Veloso, que eventualmente poderá vir a ter dificuldades esta época. Falta Caneira, que apareceu no lugar de Grimi; talvez tenha sido uma boa opção de Paulo Bento, sabendo-se da tentação de colocá-lo em campo, vá-se lá perceber por quê; no centro da defesa ele seria um perigo (a cada bola que salta encolhe-se sempre, por exemplo), como médio defensivo a loucura estaria ao mesmo nível (embora fosse uma loucura de outro tipo), restando por isso as laterais (e entre Grimi e Abel, obviamente que é melhor sacrificar Grimi, apesar de ser uma injustiça sem explicação); e o castigo pela opção Caneira esteve quase a chegar a Paulo Bento, quando o desastrado jogador fez um penalty impensável (fiquei com a ideia de que cabeceou a bola para a própria mão); mas a noite era do Sporting e nem Caneira parecia capaz de travar a marcha para a vitória.
.

2 comentários:

Manuel Leão disse...

António:

Parece que vou ter de escrever um comentário um pouco mais longo do que o habitual, porque devo algumas explicações.

1- Abel. Jogou muito bem, talvez a melhor exibição que lhe vi fazer. Desmentiu-me e ainda bem. Comentei, aqui, há dias que lhe faltava concentração competitiva. É verdade que algumas vezes lhe tem faltado. Agigantou-se perante o Porto. Espero que faça o mesmo contra adversários teoricamente mais fracos. Já tenho comentado, com colegas de bancada, que há jogadores do Sporting que só gostam de jogar contra adversários de valia. Mas isso, resulta nestes jogos mas não resulta no Campeonato.

2- Caneira. Estranhei que tivesse entrado para o lugar de Grimi, o qual havia feito uma grande exibição contra a Sampedória. Só posso entender isso como opção táctica. Fez uma exibição segura e a questão do penalty acontece a qualquer um, embora com o Sporting o rigor seja maior. Luizão, por exemplo, faz aquilo amiúde.

3- Izmailov. Jogo muitíssimo bom do russo. Jogador tacticamente sem falhas. Quem foi para ver Rodrigues, viu Izmailov. Aparece em todo o lado a defender, mas desequilibra, assiste, flanqueia e remata. Com outra camisola, fazia “manchetes” todos os dias. Mas ainda bem que não, porque a um jogador de equipa, modesto, como ele, só poderia fazer mal.

4- Yannick. Pode ser o ano da afirmação. Ali, há o dedo de P. Bento e o exemplo próximo de Liedson. E Derlei sabe jogar ao seu lado, com muito mais experiência do que condição física.

5- Nos restantes, mais ou menos o costume e o que se esperava. Coragem de Bento com Rui Patrício. Só pode vir a ser grande se jogar. Para Bento, o mais fácil seria pôr o Stoj, mas ali há razões mais profundas do que simples declarações. Sobre o treinador, vamos ver que campanha vai Rui Santos inventar esta época, para o denegrir o treinador e destabilizar o Sporting.

Saudações Leoninas!

Luís Graça disse...

Nas minhas costas, na varanda, um eclipse da lua.
À minha frente, na televisão, mais uma Supertaça conquistada.
Deu-me gozo.

Mas não estou tão optimista quanto vós.
Não ponho em causa o merecimento da vitória, mas a verdade é que o Sporting teve a sorte do jogo, após 20 minutos de pressão e domínio.

O Rui Patrício não me dá confiança. Esteve bastante nervoso na primeira parte. Quando lhe atrasam uma bola é uma desgraça.

Na grande penalidade mostrou classe. É uma excelente defesa. Tem outra boa defesa, mas o resto não é nada do outro mundo.

Continua a defender bolas para a frente a a hesitar nos cruzamentos. Por isso, precisa de muita rodagem.

Duas veementes notas de desagrado para com as atitudes trogloditas de Bruno Alves (duas entradas para magoar sobre Derlei) e de Rochemback (uma carga de ombro nos queixos do Lucho).

Quanto ao meio-campo do Sporting, a nota de maior agrado. Com a entrada de Rochemback, apesar de não ganhar velocidade, o Sporting fica com uma série de homens para cortar as linhas de passe e provocar desequilíbrios: Moutinho, Rochemback, Romagnoli e Izmailov. Aqui se começou a construir a vitória.

No entanto, nos jogos em que o Sporting se encontre a perder a coisa vai complicar-se. E muito.

Quanto aos laterais, só a crise actual pode explicar que as pessoas fiquem satisfeitas com o que se vê.
O Abel fez uma exibição irregular. Tão depressa tinha uma boa iniciativa como fazia um centro para a horta.

Venha de lá a Vanessa e a primeira medalha de Portugal!