terça-feira, 27 de novembro de 2007

Viagem ao 24 de Abril

Cheguei há pouco de uma viagem ao 24 de Abril. Estive numa reunião da Assembleia Municipal da minha terra – Monchique –, onde falar, para quem não é da maioria (25 anos de poder), por vezes acaba por ser uma tarefa complicada, senão mesmo impossível.
Imagem: Blog «Monscicus»

4 comentários:

d.e. disse...

Os serviços da Câmara ainda encerram no dia de anos do Presidente?

Anónimo disse...

Quantas Assembleias Municipais queriam ter nos seus elementos alguém tão talentoso como tu. Só mesmo uma cambada de inergumenos para não tirar partido da tua disponibilidade para a causa política. É como dar pérolas a porcos!!!!!!!

amv disse...

Fechar no dia dos anos; a coisa acabou por perder-se depois de uma proposta em reunião do executivo municipal para que acabasse tal pouca vergonha (proposta rejeitada pela maioria, segundo creio) - eu na altura ainda não andava muito metido naquelas rebaldarias.

Quanto ao segundo post... A verdade é que a minha presença lá não é muito apreciada por algumas pessoas. Então o presidente da câmara, que na prática é quem manda na assembleia municipal, de cada vez que eu começo a falar mete-se logo com interrupções, comentários despropositados e coisas do género e um ou outro berro. Ainda na última sessão, esta semana, numa altura em que eu falava e o presidente da assembleia tentava cortar-me a palavra, o presidente da câmara de repente gritou para quem devia de facto conduzir os trabalhos: «Pá, manda-o calar!» Claro que não me calei.

AMV

Luis Eme disse...

A democracia está a dar nisso, um pouco por todo o lado, em todas as cores políticas, por há uns senhores que adoram o poder (e as coisas que este lhes dá claro...) e não percebem (ou pelo menos fingem...) que com os anos se foram tornando uns ditadores.

Em Almada passa-se a mesma coisa, embora inventem fóruns e outras coisas "muito democráticas", mas onde não respondem, quando as perguntas não são ao jeito, limitando-se a rodear as questões...