domingo, 24 de agosto de 2008

A estreia

O jogo de estreia do Sporting no campeonato, ontem à noite – Sporting 3 (Tonel, Izmailov, Yannick), Trofense 1 – foi bastante esquisito. Primeiro a equipa a entrar muito bem, enquanto o Trofense se mostrava completamente inofensivo; se as coisas tivessem continuado assim até ao final, talvez o resultado chegasse a uns cinco ou seis a zero. Depois, perto do sessenta minutos, uma decisão do árbitro que mudou tudo, com o Trofense a marcar um golo de penalty e a ameaçar que podia reentrar no jogo (ou entrar pela primeira vez, pois a verdade é que de início não foi bem entrar, foi mais andar pelo relvado). Do penalty inventado pelo árbitro (ou pelo auxiliar; a asneira, ou esperteza, é a mesma), pouco a dizer, porque o lance nem foi polémico. Viu-se claramente que a falta do desastrado Polga foi bem fora da área, mas o Sporting já teve, e até naquele estádio, muitas outras asneiras do género para agora estar habituado (para dar dois exemplo, um contra e um a favor, basta lembrar o célebre golo com a mão do Paços de Ferreira e um golo que não foi considerado, do União de Leiria, com o agora felizmente já esquecido Ricardo a defender a bola um metro dentro da baliza). Foi o penalty que parou o ascendente do Sporting sobre o Trofense, o penalty e a expulsão (merecida) de Polga, que realmente quando quer é mesmo um desastre dentro do campo. O único jogador sem grande jeito para o futebol que entrou ontem na equipa inicial, em vez de correr mais lembrou-se de tentar fazer um corte à maluca quando um adversário ia isolado, e assim arranjou a expulsão (que o árbitro complementou com o penalty). Tivemos de apanhar novamente com o despropositado Caneira em campo, e com o castigo de Polga a presença do auto-intitulado grande líder no próximo jogo, em Braga, é garantida, o que não pode deixar de ser preocupante (se a Polga falta jeito com a bola, a Caneira falta tudo, jeito com a bola, aplicação, capacidade de luta e mais uma série de características que poderiam justificar a sua inclusão no plantel do Sporting).
.

3 comentários:

CLeone disse...

eheh, António, António, mil vezes o Caneira com o Tonel que o Polga lá a fazer asneiras como a de Sábado... Pena o penalty (era de prever que a gatunice não tivesse chegado ao fim, já na Supertaça protegeram o Porto), a expulsão veio a calhar para a ida a Braga (mas espero que apanhe 2 jogos pelo menos).
Viu a crónica no Publico? Se o adversário fosse outro podia ter sido diferente... aqueles animais...
E sem querer defender o Ricardo, o tal lance do Leiria decorreu todo em fora de jogo.
Abraço

Luís Graça disse...

A Oeste nada de novo.
Fica provado que o Sporting é uma espécie de orquestra de heterónimos: é capaz de tudo durante 90 minutos.

Não há dúvida de que Sporting e Benfica são exímios a moralizar o FC Porto.

Manuel Leão disse...

António:

O árbitro também viu o lance, mas pelo sim, pelo não, aproveitou o "passe de bandeja", vindo do auxiliar. Ele lá terá pensado que não se pode perder uma oportunidade daquelas.
Os jornais falam em equívoco. Têm o direito de escreverem o que querem, e eu tenho o direito de não acreditar!
Só não percebo as parangonas, nos jornais, chamando àquilo lance polémico. A classe jornalística não sabe o significado de polémico. Cheguei a temer que não, mas afinal está no dicionário.