quarta-feira, 4 de junho de 2008

Quase contradições

Os Livros Ardem Mal
»»» Título deste blog, por sinal excelente, sobre «actualidade editorial»
***
– Quanto tempo passou desde que queimou o livro ali no grelhador?
– Cerca de um mês e meio.

»»» Excerto de um diálogo no meu romance «O que Entra nos Livros»

3 comentários:

d.e. disse...

Meu Caro António,
Olhe que já tenho pensado se aquele fernando pessoa que lhe tem brotado das paredes não seria uma mutação do mágico velhinho, escapado por milagre (ou magia)à hipertermia do assador.
Pense nisso, meu caro, olhe que dava matéria para um novo romance.
Grande abraço,

amv disse...

Manuel

Por agora vou ficar de olho no pequeno poeta. Anda por aí, de um lado para o outro, e eu vou-o fotografando. Vamos a ver o que acontece quando ele desatar a fazer versos...

O que eu não esperava é que aparecessem pessoas a querer visitar aqui a casa. Ainda bem que ele deixou uma das casas de banho e se instalou de armas e bagagem na sala, onde o que não lhe falta é parede para andar.

Um abraço,

António

Luís Graça disse...

Não esperavas que aparecessem pessoas a visitar, ó António?
Não te lembras do que aconteceu comigo quando a Clara Ferreira Alves levantou a lebre dos fantasmas na Casa Fernando Pessoa?
Quando dei por mim tinha um livro de contos.