segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Gozar com as pessoas


Não sei se o aluguer da «bomba», como chama o «Correio da Manhã» ao novo carro de luxo do ministro da Solidariedade Social, Pedro Mota Soares, foi uma herança do anterior governo (como Mota Soares se desculpa). Se foi, bem que o ministro podia ter tomado a decisão de o anular (algum poder de decisão deve ter um ministro). Mas não, limitou-se a ir levantar o carro ao stand (segundo conta outro jornal, creio que o «DN» – e eu que pensava que os ministros até para lhes ir levantar os carros tinham assessores…). E ao fazê-lo acabou por gozar com cada uma das pessoas que dia após dia neste país abdicam de muitas coisas de que não gostariam de abdicar – porque o dinheiro, quando não se tem acesso ao saco do Estado, que mesmo com a crise parece inesgotável, não chega para tudo.
Depois de uma coisa destas, Mota Soares devia ser imediatamente demitido. Certamente que não será cómodo para Pedro Passos Coelho telefonar-lhe a dizer que assim não dá para continuar. Mas podia telefonar a Paulo Portas para os dois acertarem a melhor maneira da fazer a substituição por alguém que revele um pouco mais de bom senso e um pouco menos de sentido de humor negro.
Quanto ao anterior secretário de Estado para quem o carro – ao que diz Mota Soares – terá sido encomendado (Carlos Zorrinho, líder parlamentar do PS), também seria bom que António José Seguro falasse com ele e lhe perguntasse se desperdícios como este são mesmo o que ele defende para a gestão dos dinheiros públicos. E se algum dia o PS vier sob a liderança de Seguro a ser chamado a formar governo (não imagino como, depois do que José Sócrates fez ao país), seria bom que a opinião de Zorrinho fosse tida em conta no momento da escolha do elenco governativo. Aliás, seria bom que fosse tida em conta já agora, para efeitos de continuar a ser ou não líder parlamentar.

2 comentários:

AMV disse...

Entretanto há um comunicado do ministro a desmentir algumas coisas das notícias, como o facto de não ter ido levantar o carro ao stand. O que não desmente é o essencial, o facto de andar num carro de 86 mil euros (quando seguramente não haveria de ver os parentes na lama se andasse num de 20 mil, que estaria mais de acordo com um país que teve de recorrer a ajuda externa). O comunicado está aqui: https://www.facebook.com/pedromotasoares/posts/10150391118584926
Vale a pena ser lido, para que se fique a conhecer os argumentos do ministro e também para que se fique a conhecer o mau português (macarrónico) em que se expressa - com um texto destes, chumbaria certamente num exame da antiga escola primária.


cópia do comunicado do ministro:


O Ministério da Solidariedade e Segurança Social (MSSS) vem, ao abrigo da lei imprensa solicitar a publicação seguinte desmentido:
O MSSS desmente categoricamente a manchete e a notícia do Jornal Correio da Manhã, publicada na sua edição desta segunda-feira, 28 de Novembro de 2011, “ Ministro compra carro de 86 mil euros”.
Em bom nome da verdade importa esclarecer o seguinte:
1 - Ao contrário do que quer fazer crer o jornal Correio da Manhã, o Ministro da Solidariedade não escolheu qualquer viatura, e é completamente falso que tenha sido o próprio Ministro que tenha “levantado” o carro no stand.
2 - Pouco depois da tomada de posse o Ministro deixou de ter viatura oficial, em virtude da anterior ter terminado o seu Aluguer Operacional de Veiculo (AOV). O MSSS solicitou por isso à Agência Nacional de Compras Públicas (ANCP), uma viatura, tendo sido indicado que a única disponível de imediato era a viatura referida na notícia, uma vez que, já tinha o necessário concurso de aluguer lançado e concluído por ter sido efectuado pelo Governo Anterior, sendo na altura, destinada ao então Secretário de Estado da Energia;
3 - O próprio Jornal Correio da Manhã, escreveu na sua edição do dia 10 de Agosto de 2011: “Ministro da Economia herda frota de Luxo” e acrescentava “que, dado os termos do acordo, o actual Executivo nada pode fazer a não ser pagar” referindo-se precisamente ao contrato do carro encomendado pelo secretário de Estado da Energia do anterior governo;
4 - O Ministério da Solidariedade e Segurança Social, não compra carros, todo o processo de aluguer de viaturas do Estado, é gerido única e exclusivamente pela ANCP. O Ministério paga um aluguer, pelas viaturas, ao seu serviço;
5 – O valor pago neste momento pelo MSSS, referente a este AOV é exactamente o mesmo que era paga pelo carro oficial da Ministra do Trabalho e Segurança Social;
6 – O MSSS introduziu uma grande poupança na gestão da frota automóvel ao efectuar o abate de três viaturas, afectas ao seu parque, quando solicitou nova viatura oficial e ao reduzir quase para metade o número de viaturas ao seu serviço. Neste momento estão ao serviço do MSSS 11 veículos, quando no anterior Governo estavam 20 veículos;
7– O MSSS efectuou cortes de 30% nos consumos intermédios da segurança social ; decidiu ainda por despacho do Ministro que todas as viaturas em utilização por parte dos serviços integrados e entidades sob tutela deste Ministério destinam-se em exclusivo à satisfação das necessidades dos serviços respectivos, não podendo ser-lhes dado outro uso.
8- Prestámos ontem este esclarecimento ao CM, que mesmo assim preferiu insistir em avançar com uma noticia que pode induzir em erro os seus leitores.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

António
O ministro não sabe que os contratos de renting são renegociáveis,até à sua concretização?
Até o Álvaro sabe e publicitou que tinha anulado umas dezenas dsses contratos no seu ministério. Quem vier agora defender que Pedro Mota Soares "foi obrigado" a respeitar o contrato do ministro anterior ou é ignorante, ou está a querer vender uma imagem imaculada do ministro da Vespa.
Bem pode vir agora com esse comunicado que aqui reproduzes, mas só engana parvos.
Abraço