quinta-feira, 6 de agosto de 2009

O indecente «Allgarve»

Duas sessões de autógrafos no Algarve, em Faro e em Portimão. Já estava atrasado na viagem e a certa altura percebi que mais atrasado ainda poderia ficar, com o trânsito para férias do primeiro dia de Agosto. Nas estações de serviço nem lugar para os carros havia, e a auto-estrada parecia uma avenida de Lisboa em dia de semana. Imaginei que na portagem para entrar no Algarve teria de esperar um bom bocado, com as filas que estariam a formar-se. Decidi sair uns quilómetros antes, em Messines, onde quase tive de acordar a rapariga da cabina para pagar a portagem. E lá segui pela estrada nacional para apanhar de novo a confusão na Via do Infante.
Saí em Messines para evitar a espera mais adiante, mas tenho de confessar que o fiz também por uma outra razão. Foi para evitar ver mais uma vez aquela porcaria que puseram numa das barrocas laterais, ainda por cima com uns holofotes para à noite se ver bem: o Algarve mal escrito, o indecente «Allgarve», com umas letras enormes, marca deixada para a minha terra por Manuel Pinho, ministro de tristes figuras e de ideias mais tristes ainda. Quando vejo aquilo apetece-me parar o carro e ir lá deitar as letras abaixo, mas já pensei que deve ser preciso uma picareta ou algo assim. Acho que vou passar a andar com uma no carro.
.

1 comentário:

r80 disse...

Continuo a não perceber a quem se destina o Algarve mal escrito. Aos estrangeiros não deve ser, pois há um mês atrás em Amsterdão vi um autocarro com a publicidade ao Algarve bem escrito.