quarta-feira, 28 de maio de 2008

Inquietante

Um texto inquietante de Rui Santos sobre o Sporting, o meu clube, que pode ter hoje o último dia da sua história. Ler aqui.

3 comentários:

Manuel Leão disse...

António:

Uma vergonha esse artigo do Rui Santos. Um artigo de quem está ressabiado. Passou toda a época a escrever como se só o Sporting estivesse em crise. Depois, o seu (dele) Benfica ficou em 4º e não ganhou nada. O Sporting que esteve mal - e esteve - ainda ficou em 2º e ganhou a Taça de Portugal com mérito. E, já agora, a Supertaça.
Este é que é o motivo que leva o “brilhantina man” a escrever. E a fazer acusações sem citar nomes. Uma vergonha. E hoje escreveu outro artigo a tentar influenciar a votação. Quem incha, como na fábula da rã, é ele próprio.

Um abraço e Saudações Leoninas.

Manuel Leão.

P.S. Não tenho visitado blogs, por falta de tempo.

amv disse...

Manuel

Não concordo com o que diz sobre o Rui Santos. Infelizmente para nós, ele tem razão. O Sporting está a ser vendido aos poucos e receio que um dia possa deixar de existir. Repare no que os nossos (?) gestores (?) vão pedindo, primeiro o património, depois a academia, sempre em nome da redução do passivo, mas a verdade é que o passivo lá continua, inegavelmente monstruoso. E entretanto o dinheiro desapareceu. Património, Nani, onde é que isso já vai? E o dinheiro realizado? Também onde é que isso já vai? Estou curioso ara saber o que é que vão pedir a seguir? Que a sade seja cedida a algum banco? Por causa do passivo? E depois disso... Bom, o melhor será nem me pôr a imaginar o que nos vão pedir.

Um abraço,

António

Manuel Leão disse...

António:

Quando os clubes passaram a SADs sabia-se que essa era um consequência lógica. Eu não votei nisso. Mas agora qual é a alternativa?

Não estou a defender o Soares Franco, mas foi ele que criou a SAD? Admitindo que não se acredite em Soares Franco, acreditaremos em Meireles e nas declarações de Dias da Cunha, de há três anos a esta parte? Afinal o "passivo" existe ou não? Dias da Cunha diz que não havia "buraco financeiro". Será o diferendo uma questão de semântica?

Saudações Leoninas.