segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Carta a Ana Sara

Excerto da crónica publicada ontem no «Diário de Notícias» por Alberto Gonçalves, intitulada «Ex.ma Sra. Ana Sara Brito,»:
Soube, através dos jornais, que V. Exa. é desde 2007 a responsável pelo pelouro da Habitação na Câmara Municipal de Lisboa. Também soube, através deste mesmo jornal, que a autarquia a que V. Exa. pertence tem por hábito arranjar casa, decente e a preços muito módicos, a conhecidos que assim o pretendam. Parece que se os conhecidos forem políticos, artistas ou jornalistas mais fácil se torna o processo.
V. Exa. estará ao corrente da situação, já que, à semelhança de centenas ou de milhares, beneficiou de domicílio nas condições referidas durante duas décadas, do qual só abdicou no ano transacto porque, devido à «ética» (cito), não queria ser «senhoria de si própria». Tratou-se apenas, portanto, de uma espécie de conflito ontológico e não da constatação de uma ilegalidade. Segundo insiste V. Exa., com o apoio de outros ilustres lisboetas, não há ilegalidade nenhuma em auferir de uma reforma de 3.350 euros e pagar uma renda de 146 pelo T1 na rua do Salitre que o falecido eng. Abecassis entendeu dispensar-lhe.
Legal ou não, há quem ache isto uma vergonha e um insulto aos contribuintes. Eu acho uma bênção. V. Exa. justifica a requisição inicial do T1 com «motivos pessoais». Por acaso, são motivos pessoalíssimos que me levam a precisar de uma casinha do género na capital, a que às vezes desço em trabalho ou lazer. A diária de um hotel decente anda pelo custo do mês inteiro em residência patrocinada pela CML, e ainda que não me queixe do salário, percebe-se que os rendimentos não são para aqui chamados.
Donde venho por este meio pedir a V. Exa., que em boa hora recusou demitir-se, a cedência de um apartamento em local que me alivie a bolsa e a vida. O da rua do Salitre, agora vago, serve perfeitamente. E o problema da utilização ocasional da casa não se põe: V. Exa. saberá do director municipal que não utiliza de todo a que a autarquia lhe ofereceu, mantendo-a de reserva para, volto a citar, quando se divorciar.
Credenciais? É verdade que não sou político e as aguarelas que arrisquei na juventude não me atribuem o estatuto de artista. Mas julgo que as crónicas regulares na imprensa me concedem um estatuto próximo do de jornalista, critério que facilitará a decisão. Além disso, confesso tratar por tu o chefe de gabinete de S. Exa., o sr. presidente da Câmara, visto que somos conterrâneos e temos amigos comuns.
E juro: se daqui a vinte ou quarenta anos um milagre me eleger para o cargo que V. Exa. hoje tão competentemente ocupa, prometo que renunciarei sem queixumes à regalia. Senhorio de mim próprio, nunca. Por causa da ética ou lá o que é.
Aguardo resposta.
Atenciosamente, A.G.
Crónica completa aqui.
.

4 comentários:

Luis Eme disse...

normalmente não acho muita graça a este Alberto, mas desta vez teve a sua piada...

Luís Graça disse...

Viva!
Voltou o design antigo ao blogue, com o verde de que gosto tanto.
Porreiro!

Manuel Leão disse...

António:

Carta escrita com uma ironia fina.

E, mesmo irónica, é inatacável.

Abraço.

CARUMA disse...

E quanto ao Dr. António Costa, estranho que o jovem aluno do Liceu Passos Manuel, leitor apaixonado de Teófilo de Braga, tenha esquecido a leitura do mestre positivista e republicano.