quarta-feira, 27 de agosto de 2008

A multidão

Esta tarde, por aqui. Pormenor de uma multidão de flores. Não consegui perceber em relação a que é que se manifestavam, nem se o faziam contra ou a favor.
.

1 comentário:

antónio souto disse...

Cada vez me convenço mais de que aquela sombra movediça que se arrasta pelas dependências da casa com ar de F.P. é mesmo o seu heterónimo Alberto Caeiro - que tal abrir-lhe as janelas e as portas e deixá-lo entregue aos prazeres do montado e às flores inebriantes...