domingo, 4 de fevereiro de 2007

Se calhar enganei-me e a época afinal não acabou


Sporting – 5 (Carlos Bueno 4, Liedson), Nacional – 1. Fui espreitando o jogo do Porto de vez em quando e, como estava sempre a zero, aí a partir dos setenta minutos arrisquei ficar a ver. Foi ainda melhor do que eu pensava, com o golo do Estrela da Amadora nos descontos. Também tinha espreitado o jogo do Benfica, a ver no que dava, e com uma sorte incrível à mistura até que a coisa não correu mal. Quanto ao jogo do Sporting… Mesmo naqueles 75 minutos de sofrimento não achei a equipa mal. Paulo Bento, não consigo perceber como, mas também agora não interessa, lá percebeu (pelo menos ontem) que o capitão (?) Custódio não pode jogar na equipa. Gostei do onze que apresentou… Ricardo, enfim, desde que não complique… Polga toda a gente diz que é um génio do futebol por isso se calhar o melhor é eu estar calado e esquecer que ele não nasceu para o futebol… E Caneira até ia marcando um golo (e um auto-golo, para compensar), além de na maior parte da vezes não saber o que fazer com a bola e de a partir de certa altura se andar a armar em parvo com agressões a ver se o árbitro o expulsava… Ou seja, dando o desconto a estes três, gostei da equipa, e comecei a ver o jogo com alguma tranquilidade. Correu mal durante 75 minutos, podia ter corrido ainda pior (remate de Caneira, defesa de Ricardo); mas depois tudo correu bem, e inclusive o árbitro deu uma ajudinha (arranjou um penalty e tolerou o apoio de Bueno num defesa no primeiro golo).
Os quatro golos de Bueno merecem-me uma nota… Tem a ver com o facto de apesar das críticas eu nunca o ter considerado um dos jogadores-problema do Sporting, como aliás nunca considerei Alecsandro jogador-problema, por exemplo. Bueno pode não ser um fora-de-série, o mesmo vale para Alecsandro, até para Farnerud e outros do género. Mas percebe-se logo que sabem jogar futebol. Um pode estar mais gordo, outro mais apático, outro teimar em não acertar com a baliza, mas são jogadores de futebol e há sempre a esperança de que de repente as coisas corram bem. É essa a diferença para os outros quatro: Polga é mesmo um caso perdido, vê-se à distância que ele e a bola têm uma estranha desafinidade; de Caneira, apesar de ser um bocadinho menos problemático e de até saber rematar se for com o pé direito, também não é de esperar grande coisa (como está na lateral, não se nota tanto o problema, salvo em termos de ataque, que por esse lado fica comprometido); Ricardo até pode ser o menor dos problemas, pois passa vários jogos sem erros, mas há sempre o risco de descarrilar e aí não há nada a fazer; e depois Custódio, o pior de todos, de longe, porque simplesmente com ele na equipa o Sporting alinha com dez (e Custódio, ao contrário de Polga, até se nota que tem uma relação normal, para jogador, com a bola, mas depois só se mexe para se desviar de algum adversário que corra para a baliza do Sporting, que estranhamente é a direcção para que ele sempre que tem oportunidade faz seguir o jogo).
Quanto ao futuro, agora a três pontos do Porto, ainda mais tendo eu já escrito que a época do Sporting acabou… Pois o futuro, não sei… Se calhar enganei-me e a época afinal não acabou. Ainda bem… Se o Porto de vez em quando se meter a fazer resultados como os das duas últimas jornadas teremos certamente campeonato até ao fim.

1 comentário:

Luís Graça disse...

A época acabou, sim senhor.
E nem sequer começou. A qualidade do futebol é uma desgraça. Salvou-se um dos golos do Bueno, que é "de outra anedota", do futebol de outros tempos.